Follow by Email

sábado, 22 de julho de 2017

A MALDIÇÃO DOS CASAMENTOS NO COPACABANA


Por Ruben Berta



Praticamente quatro anos depois de ter sido realizada, uma festa de casamento volta à memória dos cariocas.

Na virada de 13 para 14 de julho de 2013, mais de mil convidados foram ao Copacabana Palace para uma celebração que tinha tudo para ser inesquecível – e foi. Champanhe Veuve Clicquot, uísque Black Label e um bolo que, como descreveu a colunista Hildegard Angel, "era um acontecimento". Com direito até a show do cantor Latino (era a época de “Festa no apê”), não teria saído por menos de R$ 1 milhão a união em matrimônio Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho. O azar dos noivos é que, naquele julho de 2013, ainda vivíamos uma onda de protestos que tiveram como um dos principais motes as mazelas do sistema de transporte público.

Naquela madrugada, a magia do momento foi quebrada por gritos que vinham do calçadão da Avenida Atlântica. “Ah, ah, ah, o noivo vai brochar!” e “Uh, uh, uh, todo mundo para Bangu” eram alguns dos cantos entoados por um grupo bem-humorado de ativistas.

Na segunda-feira, 3 de julho de 2017, parece que as preces dos manifestantes finalmente foram atendidas: o pai da noiva, o empresário de ônibus Jacob Barata Filho, foi preso pela Polícia Federal, acusado de participação num esquema de propinas a políticos e servidores do estado que pode ter passado da casa de R$ 200 milhões.

Para rebater aquele incômodo que vinha de fora, alguns convidados lançaram objetos – até um cinzeiro! – na direção dos manifestantes. Notas de 20 reais também foram arremessadas. Por volta de 3h, o Batalhão de Choque chegou e, com a delicadeza de sempre, acabou com a festa na calçada.

Por causa daquele protesto, o “casamento da Dona Baratinha”, como foi apelidado, ficou famoso fora das rodas do high society carioca e, com a prisão do pai Barata, as fotos das festas (a de dentro e a de fora) voltaram a ser lembradas.

Mas o que mais será que os salões do Copacabana Palace teriam a revelar? Uma lição fica: é sempre bom desconfiar de casamentos nababescos que tiveram como palco um dos hotéis mais luxuosos do país. Vamos, então, recordar.


2004, Cabral & Adriana


Em abril de 2004, o então senador Sérgio Cabral Filho reuniu cerca de 900 pessoas nos salões do hotel para celebrar a união com a advogada Adriana Ancelmo. O evento, que teve direito à cobertura da revista “Casamento”, teve luxos como 4 mil dúzias de rosas vermelhas na decoração. Não é nem preciso lembrar que fim levou o casal. O noivo está preso numa cadeia em Benfica, Zona Norte do Rio, graças a investigações decorrentes da Lava Jato, réu em 11 processos. A noiva teve um pouco mais de sorte e aguarda as sentenças em prisão domiciliar, num apartamento a alguns metros da praia do Leblon, na Zona Sul.


2011, Danielle Cunha & Ariel Doctorovich


Um casamento de 2011 envolvendo outro figurão da política que agora está atrás das grades foi até parar nos documentos da própria Operação Lava Jato. Em 25 de junho daquele ano, Danielle Cunha, filha do então deputado Eduardo Cunha, ocupou os salões do Copacabana Palace para celebrar seu momento de felicidade com o economista Ariel Doctorovich. No pedido de prisão do parlamentar, de outubro do ano passado, os procuradores colocaram sob suspeita gastos de R$ 267,3 mil com a festa, após quebra de sigilo fiscal realizada pela Polícia Federal.

“Embora a questão ainda mereça maior aprofundamento, resta claro que o dinheiro usado para o pagamento do casamento de Danielle Dytz da Cunha era proveniente de crimes contra a administração pública praticados pelo seu pai, o ex-deputado federal Eduardo Cunha”, afirmou a Força-Tarefa da Lava Jato.


2013, Ângelo Goulart Villela & Ana Luiza Zorzenon


Em 2013, mesmo ano em que a “Dona Baratinha” se casou no Copacabana Palace, outro personagem que ficou conhecido recentemente graças às investigações da Lava Jato também usou os salões do hotel. No dia 7 de setembro, o procurador Ângelo Goulart Villela fez ali a festa de celebração da união com a também procuradora Ana Luiza Zorzenon, com direito a shows de MC Marcinho e da bateria da Mangueira.

Ângelo foi denunciado no mês passado pela Procuradoria Regional da República da 3ª Região pelos crimes de corrupção, violação de sigilo funcional e obstrução de Justiça. As investigações da Operação Patmos apontaram que ele teria recebido uma mesada do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, para mantê-lo informado sobre os passos de outra operação, a Greenfield, que apura fraudes em fundos de pensão.


Famílias unidas no amor e nos negócios


O famoso casamento de Beatriz Barata fez parte de mais um capítulo de união no mundo dos ônibus. Seu noivo era Francisco Feitosa Filho, que herdou o nome do pai, um conhecido empresário de transporte rodoviário no Ceará. As duas famílias já possuíam negócios juntas desde 2008, fazendo com que o amor tenha sido apenas mais um laço entre elas. O evento também serviu para reunir diversas autoridades, como o atual ministro do STF Gilmar Mendes, que foi um dos padrinhos.

Há quem possa levantar a lebre de que Beatriz seria apenas uma filha que, ingenuamente, usufruiu do dinheiro do pai para realizar seu sonho. Mas a noiva do Copa também tem sua participação nos negócios da família. Uma ata de assembléia de 2015 da empresa União Transporte Interestadual de Luxo (Útil) mostra, por exemplo, que Beatriz Barata Feitosa assumira, em outubro daquele ano, o cargo de diretora da firma. O mandato era de dois anos. Um detalhe revelou como a união dela preservou os feudos de cada família: foi descrito no documento que ela se casou com Francisco Feitosa Filho sob o regime de separação total de bens.

Com uma movimentação intensa de casamentos, é bem possível que a Lava Jato atinja num futuro próximo outros personagens que já passaram pelo Copa e outros luxuosos salões do país. O talvez mais famoso presidiário do Rio atingido pela operação, o ex-governador Sérgio Cabral, já esteve pelo menos em mais um evento por lá, além do seu próprio matrimônio.

No dia 27 de abril de 2014, ele participou do festão do desembargador Luiz Zveiter, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio. Naquela noite, para não perder o hábito, fez algo que não devia:estacionou o carro irregularmente na Avenida Atlântica e foi multado. Mas o que são uns R$ 50 a menos na conta e uns pontos na carteira diante de um festão no Copa?








sexta-feira, 21 de julho de 2017

CULPA É DO MORDOMO?


Se a ideia fosse promover uma caça as bruxas, a primeira pergunta a ser respondida seria justamente “De quem é a culpa? ”

De quem é a culpa desse mergulho cego do país do grupo seleto dos emergentes para país indigente? Do povo que comprava carro e viajava de avião para o povo a pé, mais uma vez?

Quem é o responsável pelo otimismo ter sido sufocado miseravelmente pelo pessimismo e dar lugar a esse jeito de filme já visto, e que, sabemos, não tem final feliz?

Não vale a resposta simplista de crise econômica internacional pois, apesar de que dessa vez não era só uma marolinha também não era lá, um tsunami.

Que culpa tem a crise lá fora da redução paulatina dos programas sociais, rumo à extinção completa?

Pelos Deuses, quem roubou a esperança e levou junto o sorriso mais cheio de dentes que a pátria mãe já viu?

Quem foi que esqueceu de nos avisar que no final das marchas do pato o pato seríamos nós?

Não adianta botar a culpa no Temer já que é muito cômoda essa solução de que o culpado é sempre o mordomo.

Na verdade, por mais que se esprema o cérebro não se chegará a um culpado individual, já que a culpa é mesmo coletiva.

É de todos nós, de cada um, mesmo daquele que jura que não tem nada a ver com isso.

Enquanto nos dizíamos “cansados disso tudo” eles persistiram e levaram a cabo um bem-sucedido processo de impeachment.

Enquanto duvidávamos que eles ousassem eles ousavam.

Lembra daquele dia que rimos achando que esses frágeis movimentos de direita de internet não conseguiria meia dúzia de gente gritando contra o governo? Pois é... botaram milhares enquanto ríamos.

E quando se dizia que o jogo deveria ser jogado, com todas as armas e maneiras éramos rotulados de radicais e exagerados. Lembra?

O mordomo é a face mais aparente da culpa, claro.

Afinal ou é mordomo ou é vampiro, mas não é o único, ao menos, dessa vez.

Entramos num túnel do tempo virado para trás. Estamos retrocedendo, e, acredite, o retrocesso não será pouco, nem sanado com uma simples vitória da esquerda (se houver eleições).

E isso porque o retrocesso não é apenas político e econômico, é moral.

A moral da inocência de um país de todos, embalado pelo ideal sagrado da igualdade, se esfacelou, como o último prato de porcelana da vovó.

Não será fácil juntar os cacos.

E os cacos talvez nos tragam as respostas certas.

Foi por medo de junta-los quando acabou a última ditadura que os golpistas cresceram e se uniram na certeza da impunidade.

Foi por não querer fazer sangrar que agora nosso país sangra e continuará sangrando, por muito tempo ainda.

Que ao menos, da próxima vez, se junte os cacos, se punam os culpados, se faça justiça e se crie uma Lei que impeça os abusos midiáticos.



Prof. Péricles







quarta-feira, 19 de julho de 2017

O DESCANSO DO SEU RUI


Seu Rui já deveria estar em casa, descansando.


Setenta e poucos anos de idade, trabalhou a vida inteira. Bem, na verdade seu Rui já havia se aposentado, mas não podia ficar em casa com valores tão baixos pagos como aposentadoria, e por isso, todos os dias lá estava ele, na entrada do cursinho que, fraternalmente, lhe permitia a presença, vendendo sanduiches, pastéis e cafezinho.


Certa vez, rimos juntos quando distraído passei pela entrada e, não fosse ele, continuaria andando com a cabeça nas nuvens.


Figura frágil, encurvada, mesmo na soleira da porta já demonstrava certas dificuldades de movimento. Não deveria estar trabalhando, murmuravam os alunos e funcionários.


Então, não se sabe bem porque, naquela tarde ele resolveu subir as escadas do prédio onde guardava a porta. Ficou tonto ou simplesmente escorregou, ninguém sabe, e caiu. Queda feia até para guri novo.


Foi levado pela SAMU pra emergência. Foi hospitalizado, UTI. Traumatismo craniano.


Sexta-feira, 14 de julho, seu Rui morreu.


Foi enterrado no sábado.


Provavelmente a ausência de sua figura na porta do prédio, será sentida por todos. Com certeza a dor entre os familiares será prolongada.


Nada importa. Nada faz muita diferença, agora que tudo acabou.


Apenas mais um brasileiro que por mérito de seu trabalho deveria estar usufruindo merecido descanso, morreu, na ativa, trabalhando, aos setenta e poucos anos.


A aposentadoria que é paga ao trabalhador brasileiro é um escândalo. Um deboche.


Valor tão reduzido que a grande maioria se obriga à atividade, mesmo sobre o risco de vertigens e de quedas.


Quem não tem a sorte de ser filho da elite, sabe, ou deveria saber disso.


E para o cúmulo do sarcasmo, uma reforma ameaça diminuir o já ridículo provento.


Definitivamente, há algo de muito doente no Brasil.


Quem aplaude governo entreguista e da elite, que suborna a ordem constitucional para dar golpes, não vale o pastel que seu Rui vendia.


Esse país é um país de muita falsidade, excesso de hipocrisia e de tombos para todos que não podem pagar planos privados.


Ou estaremos exagerando?


Não sei. As vezes, diante da dor, a gente conclui não saber de mais nada.


Só sei que seu Rui já deveria estar em casa, descansando.



Prof. Péricles

domingo, 16 de julho de 2017

ESPÓLIO



POR FERNANDO BRITO


A sentença de Sérgio Moro, embora tão previsível, abriu um portão para todos os apetites, de todas as tendências, pela disputa de 2018.

De todos os lados, disputa-se o espólio do líder que, embora vivo, quase todas as camadas dominantes da política brasileira querem morto.

O primeiro personagem é Jair Bolsonaro, que já ganhou musculatura e que precisa, agora, de apoio político que lhe garanta estrutura – e tempo de televisão – para existir eleitoralmente.

Por isso, quase dois meses depois do surgimento das malas de Loures, o homem do “bang-bang” se mantém calado, sem ataques a Temer, com quem estão ainda muitos dos quais conta atrair para a sua candidatura. Um mínimo de espaço na TV e um vice evangélico são os objetivos militares, as colinas que o ex-capitão precisa dominar para ocupar outros territórios, além daquele que o ódio e a histeria com a violência criminosa já lhe deram.

Atrás do mastim, vem o poodle, com seu latido esganiçado. João Dória, não duvidem, deseja ardentemente que Lula seja candidato.

Sabe que é isso o que pode unir em torno dele a classe média furiosa, com um vago discurso de “gestão” e de “solidariedade social” dos empresários, discurso “bacaninha” que as picaretagens promocionais – com bom financiamento, claro – o acostumaram a fazer com seu “Lide”.

Sem Lula, perde seu alvo (nacional e social) e fica meramente paulistano, o que o deixa prisioneiro da máquina tucana, onde é importante apenas como promessa de livrar o partido do desastre eleitoral, mas não um membro da família. Aliás, é o que fica claro hoje, com a leitura do editorial da Folha onde se diz que Dória não foi “muito além da divisa municipal, embora seja obviamente cedo para descartar possibilidades no pleito de 2018”.

Alckmin, ao contrário, é de novo o candidato-chuchu, que pretende crescer pela falta de outros e fora da polêmica, com o apoio do empresariado e do tucanato que não o pode renegar e do uso da “solução Dória” para garantir a sucessão paulista e, portanto, seu reduto eleitoral em São Paulo, um quarto do eleitorado do país.

Marina, que como certas aves, aparece quando há carniça, confirmou, neste episódio, sua opção preferencial pela direita e pela histeria moralista. Poderia ter desancado o processo de erosão dos valores morais dentro do PT ressalvando Lula, a quem deve tanto. Preferiu, como sempre, guinchar platitudes sobre a justiça ser para todos e elogiar Sérgio Moro.

A alma microbiana de Marina Silva não consegue alcançar que, para o establishment escravocrata, ela é algo assemelhada a uma criada, cuja função é dividir para ajudá-lo a reinar, servindo na bandeja uma parte do eleitorado popular.

Só consegue ver as possibilidades de, com a exclusão de Lula, ganhar alguma parcela do eleitorado por conta de sua origem – distante, tão distante… – pobre.

Ciro Gomes, homem decente, foi exceção e, com todas as críticas que faz, não cedeu à demagogia falsa. Suas possibilidades eleitorais, embora pequenas, não o fazem um canalha à procura de oportunidades. Não ganha, à primeira vista, votos, mas continua crescendo em respeitabilidade como político outsider.

O problema essencial da utilização do espólio político de Lula, “decretada” sua morte pela “intelligentsia” nacional que se arrojou aos pés de um juiz medíocre e messiânico (gostaria que seus áulicos de alto saber o que viria a ser aquela página “Eu MORO com ele”, produzida dentro de sua casa senão a mais barata demagogia), é “apenas” um fato: o morto está vivíssimo.

Deixá-lo disputar as eleições é um risco.

Tirá-lo delas, a garantia de instabilidade de quem vier a ser eleito.

O Aroeira, que desenhando pensa com mais lucidez que todos eles, pegou no ar o espírito da coisa.

Matar Lula na fogueira é por fogo no Brasil.



sábado, 15 de julho de 2017

HORA DECISIVA DA REVOLUÇÃO VENEZUELANA


Por Igor Fuser


O conflito na Venezuela ingressou num período decisivo, com todo um conjunto de sinais de que a oposição direitista optou por uma tática de “tudo ou nada” na tentativa de inviabilizar a eleição da Assembleia Constituinte, marcada para o dia 30 de julho. O objetivo da ofensiva política em curso é derrubar, por qualquer meio, o governo legítimo do presidente Nicolás Maduro.


Atos violentos que em qualquer outro lugar do mundo mereceriam a definição unânime de terrorismo foram cometidos na semana passada por milícias fascistas opositoras, sob o silêncio condescendente dos jornalistas estrangeiros. A ação mais chocante foi a destruição de um depósito da rede estatal de abastecimento Mercal, com a queima de 50 toneladas de alimentos que seriam distribuídos em comunidades pobres do estado de Anzoátegui. A suprema ironia foi uma pichação pintada numa parede pelos fascistas: “No más hambre” (“Chega de fome”).

Em outra ação terrorista, na mesma semana, um grupo liderado por um ex-policial que se passou para o lado da oposição jogou granadas e disparou tiros contra a sede do Supremo Tribunal de Justiça, em Caracas, a partir de um helicóptero roubado. Só por pura sorte o episódio ficou restrito ao susto, sem vítimas. O agressor, elogiado por políticos da oposição e festejado como “herói” nas redes sociais antichavistas, ostentava na janela do helicóptero um pano com o número 350, em alusão ao dispositivo constitucional que permite – em tese – a rebelião contra qualquer governo que pratique violações aos direitos humanos.

A atual ofensiva da burguesia venezuelana, apoiada ostensivamente pelo governo e por setores da cena política dos Estados Unidos, já completou três meses, e está muito longe de alcançar seus objetivos. A violência é empregada, em intensidade crescente, por opositores organizados em grupos armados, com treinamento militar e hierarquia de comando. Já não é simplesmente uma situação em que protestos pacíficos degeneram em confronto com policiais. É algo muito mais grave. Todos os dias, ocorrem ataques a escolas infantis, hospitais e edifícios públicos em geral, com o uso de bombas e de armas de fogo.

A escalada do terror causou até o final de junho 92 mortes, das quais apenas 13 podem ser atribuídas às forças estatais de segurança, enquanto ao menos 24 ocorreram comprovadamente em consequência da violência opositora. Há um alto número de vítimas fatais nos ataques a estabelecimentos de comércio, quando grupos organizados incitam a população ao saque, gerando a reação dos proprietários.

O atual ciclo de instabilidade política na Venezuela teve início em janeiro de 2016, quando se instalou a nova composição da Assembleia Nacional, em que os deputados opositores, reunidos na Mesa de Unidade Democrática (MUD), formavam uma ampla maioria. Mas logo se criou um impasse, causado pela recusa da MUD em aceitar a impugnação de três de seus parlamentares, cuja eleição foi invalidada devido ao uso de fraude. Esses três deputados tomaram posse em desafio a uma ordem do Judiciário, o que deixou o Legislativo em situação irregular, conforme interpretação do Tribunal Superior de Justiça.

A bancada da MUD, majoritária na Assembleia Nacional, declararou guerra ao Poder Executivo. Em lugar de elaborar propostas de enfrentamento da crise econômica, concentrou suas energias em sucessivas tentativas de depor Maduro por meio do impeachment, sem sucesso. Fracassou também sua campanha para convocar um referendo revogatório em que a continuidade do mandato presidencial seria submetida ao voto popular. A iniciativa naufragou diante da comprovação de que boa parte das assinaturas apresentadas à Justiça Eleitoral nas petições pelo referendo tinha sido obtida por meio de fraude.

Sem paciência para aguardar as eleições presidenciais de 2019, a oposição escolheu então o caminho do golpismo. Intensificou a sabotagem econômica, valendo-se do fato de que a maior parte da distribuição de produtos está nas mãos do empresariado, maciçamente alinhado com a direita política. Por meio da escassez artificial, do aumento dos preços e da manipulação do mercado de câmbio para desvalorizar a moeda nacional (o bolívar), os opositores têm conseguido levar adiante sua estratégia de “quanto pior, melhor”, jogando nas costas do governo a culpa pelas dificuldades da economia, já abalada pela queda dos preços do petróleo.

Em paralelo, os líderes da oposição se articularam com as autoridades estadunidenses e com setores da direita em diversos países (governos, empresas, ONGs) para aplicar o cerco político e o boicote econômico à Venezuela. Uma lei aprovada recentemente no Congresso dos EUA destina US$ 9,5 milhões para financiar os grupos contrários ao governo venezuelano, sem contar o dinheiro que é encaminhado diretamente por ONGs, empresas privadas e por atores ilegais, como as milícias paramilitares da extrema-direita colombiana.

Para reforçar o apoio externo à sua causa, líderes da oposição venezuelana chegaram a se reunir com autoridades e congressistas em Washington, pedindo o envio de tropas para depor o governo do seu próprio país. Imaginem, só por hipótese, o que aconteceria se deputados estadunidenses viajassem a um país estrangeiro para pedir o uso de força militar a fim de expulsar Donald Trump da Casa Branca. Na Venezuela, chamada de “ditadura” pela mídia burguesa brasileira e internacional, os parlamentares que defendem a intervenção externa circulam em liberdade, continuam a exercer seus mandatos e se expressam diariamente pela televisão, rádio e internet.

Os golpistas brasileiros e o governo neoliberal argentino se engajaram até o pescoço nessa estratégia conspirativa, logrando que a Venezuela fosse suspensa do Mercosul. Mas a cartada mais importante, no âmbito da Organização dos Estados Americanos (OEA), fracassou. O plano da diplomacia estadunidense e da direita regional era aprovar na OEA uma condenação ao governo de Maduro que significaria, na prática, o sinal verde a sanções econômicas contra a Venezuela e até mesmo a uma intervenção militar sob pretexto “humanitário”. A resistência de pequenos países do Caribe, solidários à Venezuela, e de integrantes da Alba, a Aliança Bolivariana para as Américas (Bolívia, Equador, Nicarágua, Cuba), barrou essa tentativa ao negar aos EUA e seus aliados a maioria qualificada necessária à aprovação da proposta (nesse processo, a Venezuela se retirou da OEA).

Até agora, o governo Maduro, as organizações populares e os partidos comprometidos com a Revolução Bolivariana se mantêm firmes no rumo das transformações sociais iniciadas na gestão de Hugo Chávez. Mesmo sob o assédio político, o contexto econômico internacional desfavorável e a sabotagem da burguesia local, os herdeiros políticos de Chávez dão andamento aos projetos sociais em benefício da maioria desprivilegiada. Nos últimos seis anos, a Misión Vivienda entregou 1,4 milhões de novas moradias (casas e apartamentos de qualidade) a famílias de baixa renda. Os programas de saúde, educação e aposentadoria seguem em plena vigência, sem cortes. Para fazer frente à escassez, foram criados os Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAPs), que fornecem alimentos subsidiados para grande parte da população.

O tempo político na Venezuela se acelera e tudo pode acontecer nas próximas semanas. Cada momento é crucial. Ou a Revolução Bolivariana supera a paralisia burocrática dos primeiros anos após a morte de Chávez e alcança um novo patamar de radicalidade política, impondo uma derrota decisiva à burguesia e ao imperialismo, ou será esmagada de forma sangrenta, com consequências terríveis para o povo venezuelano.


Igor Fuser é doutor em ciência política pela USP e professor de relações internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC), em São Bernardo do Campo (SP).





quinta-feira, 13 de julho de 2017

A GUERRA SEM GUERRA NO BRASIL

Muitos brasileiros tinham esperança, ou ao menos expectativas, na atuação da Justiça. Mesmo sabendo que os tribunais brasileiros são lentos, formais e que se expressam num leguleio que poucos entendem – mesmo assim! – esses brasileiros tinham esperanças. Não podíamos crer, materializar, o dito antigo de que a Justiça no Brasil é feita – e com dureza! – apenas para ladrão de galinhas. “Para os amigos tudo, para os inimigos a Lei!”.

Muito menos podíamos imaginar que seria através de tribunais brasileiros que interesses estrangeiros declarariam guerra ao Brasil.

Uma guerra de novo tipo: uma guerra sem guerra, ou seja, uma guerra que usa meios não-bélicos para destruir, solapar, aniquilar a capacidade do adversário. Assim, utilizando-se de modernos meios tecnológicos – mídias digitais, propaganda massiva, formação de quadros de elite em universidades estrangerias, sistemas de estágios e bolsas de estudos em centros de treinamentos, etc… arma-se uma elite para atuar a serviço, consciente ou inconscientemente, desse poder estrangeiro.

O Brasil não seria o primeiro alvo. Na verdade Ucrânia, Líbia, Egito, Tunísia, Síria, Geórgia e Turquia foram alvos anteriores desse modelo novo de guerra – uma guerra que não precisava recorrer aos custosos meios tradicionais de luta com canhões, bombardeios e destruição de cidades.

Para funcionar a “guerra sem guerra”, precisa-se conhecer bem o ponto fraco do inimigo.

No caso brasileiro foi fácil: homens do talho de Victor Nunes Leal e Raymundo Faoro já apontavam para a chaga aberta do país – o caráter patrimonial do Estado brasileiro. O patrimonialismo, no perfeito conceito de Max Weber, permitiu que uma elite parasitária colonizasse o Estado e cooptasse tudo e todos que se apresentem como “o novo”, “o transformador”, “o renovador”. Trata-se do velho “transformismo” das elites, e de seu poder de cooptação, tão bem descrito por Jorge Amado em seu personagem “Doutor Mundinho”, de “Gabriela, Cravo e Canela”.

Cabia,assim, utilizar-se dos males propiciados pela elite corrompida do país como brecha para iniciar o ataque à soberania nacional. O interessante é que tal ataque a nossa soberania seria feita pela parcela, aparentemente, não corrompida dessa mesma elite. A elite “renovadora”, capacitada em centros estrangeiros,em nome de uma pureza que só o “outro perfeito”, “o estrangeiro”, “o espelho” em que devemos nos mirar e, assim, deixar de ser o que somos para ser a cópia mascarada do “Outro” colonizador, renega sua própria gente, sua história e suas tradições.

Com tudo isso destrói as bases da própria soberania nacional.

A Operação Lava-Jato abriu, sim, para muitos, a esperança de que as coisas mudariam: o patrimonialismo de mais de quatro séculos seria arrancado pelas raízes e o país seria “passado a limpo” – mas, infelizmente, só miravam no espelho do Outro, do estrangeiro.

Depois de seus cursos e estágios no exterior se sentiam prontos para a hercúlea tarefa de “limpar” o Estado brasileiro, tomando-a como “missão”. De qualquer ponto que puxassem o fio viria o novelo de pecados da história-pátria: propinas, sinecuras, prebendas, filhotismo, estelionato, favoritismo, peculato, e tanto mais… Contra uma “história feia”, a nossa, a da própria pátria, considerada viciosa, antepunham a história virtuosa do outro”, sem saber que a história desse “Outro” é uma pura construção mítica, ideológica, benzida na pia da religião.

Incultos na sua erudição, tomaram o mito d´Outro como história.

Iniciaram-se, então, os procedimentos jurídicos, o flanco da “guerra sem guerra”, a primavera do Brasil: afinal poderosos iriam para prisão. E realmente foram. Foram mesmo? Bem, Eduardo Cunha – uma unanimidade nacional, uma espécie de “meu malvado predileto” da Nação – mas, só depois que cumpriu seu papel, o de defenestrar Dilma Rousseff do seu cargo via acusações que seriam nos meses seguintes “fichinha”, “crime” de freira de colégio interno, face ao chorume a vazar do Congresso Nacional nos meses seguintes ao seu impeachment.

Bom, prendeu-se Cunha com seu aspecto melífluo, sua voz dissimulada, suas mãos felinas e seu cabelo oleoso e com aparência de caspa severa – está lá! Condenado a 15 anos de prisão! No entanto, sua esposa – uma jornalista de grande experiência foi considerada inocente, pois não sabia de onde caía o dinheiro no seu generoso cartão de crédito… Há quem mais? Ah, não… Esse está livre; este outro… Fez delação e foi solto; aquele… hum, foi liberado e…. acolá outrem está em prisão domiciliar.

O próprio Cunha é personagem central de tramas noturnas da República e continua sendo personagem central no “esquema” (ou será “organização”, um sinônimo talvez de “quadrilha”) que sustenta com propinas e malas cheias o presidente em exercício. Portanto, é, em verdade, um homem mais livre que a maioria dos 204 milhões de brasileiros que não escolheram seu presidente e com passes de equilibrista esticam seus salários até o mês seguinte!

Ah, temos sim um prisioneiro da Lava-Jato: o Almirante Othon Silva, condenado a 43 anos de reclusão. Um homem que prestou inúmeros serviços à Pátria, que enfrentou terríveis forças internacionais para dotar o país de uma tecnologia única e avançada, resistindo heroicamente às pressões ocultas de grandes potências. Envergonhado, após a prisão, tentou o suicídio. Mostra caráter! Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, qual outro político escreveu sequer uma linha de arrependimento? Nada!

Muito pelo contrário continuam, com recursos escusos, conspirando contra a ordem constitucional da República. No entanto o tribunal entendeu que o homem que dotou o país de alta e exclusiva tecnologia de ponta, um saber estratégico para a Nação, merecia uma pena 3.7 vezes superior ao mago do mal que presidiu o Congresso Nacional, o senhor Eduardo Cunha.

Temos, contudo, como explicar mais esse paradoxo: como permitir que um país com tantas riquezas como o Brasil pudesse se dotar de uma tecnologia nuclear autônoma? Tinha-se que exemplificar em alguém o castigo para parar, deter e nunca mais permitir a ousadia de uma mera colônia neo-extrativista de ser, de fato, um país verdadeiramente soberano.

Como se não bastasse, o mesmo tribunal, aliado a governos estrangeiros, condenam as empresas brasileiras. Isso mesmo, as empresas. Não condenam apenas os executivos responsáveis pelos atos de corrupção, condenam as empresas. Ou seja, em vez de julgar “CPFs”, o tribunal julga “CNPJs”. Condenando as empresas com multas bilionárias a serem pagas a governos estrangeiros, conseguem gerar desemprego massivo, destruição de postos de trabalho, extinção de modernas tecnologias, subdesenvolvimento e a retirada do Brasil de mercados duramente conquistados.

E os executivos? Bem, esses são “premiados” e vão para casa! Uma tornozeleira aqui, outra ali; uma retenção de passaporte de um e de outro não… e para outros nenhuma punição! Ou seja, as empresas, os “CNPJs”, são condenadas, caminham para extinção, o desemprego campeia, os trabalhadores sofrem e os executivos – “CEOs”, gostam de dizer! – vivem feliz o resto da história!

Nem as empresas que colaboraram, e mesmo colocaram em funcionamento o Holocausto durante o Terceiro Reich, foram punidas desta forma. A punição recai sobre seus proprietários e executivos e hoje são orgulho da nova Alemanha.

Enquanto isso, outros produtores/fornecedores internacionais, concorrentes do Brasil, ocupam fatias crescentes de mercados tradicionalmente do país. A capacidade de agregação de valor despenca e cada vez mais nos aproximamos de uma situação de colônia neo-extrativista.

Trava-se, assim, uma “guerra sem guerra” na qual o futuro da soberania nacional está em jogo. E o mais triste de tudo é que o povo brasileiro nada sabe sobre guerras.


Por Francisco Carlos Teixeira da Silva professor titular de História Moderna e Contemporânea da UFRJ e do departamento de História da UCAM. Professor-Emérito de Estratégia Internacional da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro